Poema de 7 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

7 de Junho

Pena de si mesmo, auto-indulgência e procuras emocionais egoístas trata-se de uma mesma imperfeição, apenas, com diferentes nomes.

Se diz que não tem fé em si mesmo mas, que tem toda a fé em Deus, devo dizer que não poderá ir muito longe. Deve ter fé, fé constante a abundante, não apenas em Deus mas, também em si mesmo, pois é filho ou filha de Deus. Quando sente, verdadeiramente, que é uma criança de Deus, perceberá que está aquém da sua dignidade fazer amizade com a ignorância. Realidade, Eternidade, Imortalidade e Infinidade não são termos vagos: são os seus direitos de nascimento. Quando tiver esse tipo de fé, Deus derramará as Suas bençãos escolhidas sobre a sua cabeça devotada e seu coração entregue.

Não pode transcender-se a si mesmo
Estudando livros.
Mas pode, certamente, transcender-se
Ouvindo os ditames interiores
Da sua alma.


Reflexão, poema de “7 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 4 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

4 de Junho

A mente que duvida não é nada mais do que uma planta-insegurança.

Fé e dúvida. Elas são como os polos Norte e Sul. Infelizmente, um homem de fé é, frequentemente, mal entendido. Somos propensos a chamar um homem de fé de fanático mas, nisso cometemos um erro deplorável. Um fanático detesta a razão e ignora a mente racional, enquanto que um homem de fé, se ele é realmente um homem de fé, acolherá a razão e aceitará a mente que duvida. Assim, a sua fé ajudará a mente que duvida, a transcender-se, tornando-se infinita Vastidão, tornando-se algo eterno e imortal.

Seja sábio!
Mantenha os seus medos e dúvidas interiores,
Constantemente,
Sob seu perfeito controle.


Reflexão, poema de “4 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.