Poema de 28 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

28 de Junho

Quando um buscador sincero ora e medita, irradia beleza. Essa beleza vem, diretamente, da sua existência interior, a sua alma.

Quando oramos, oferecemos a beleza da intensidade do nosso coração ao Supremo. Quando meditamos, oferecemos a beleza do nosso silêncio interior ao Supremo. Quando amamos o mundo exterior, sabendo que ele é a manifestação e a expressão do Supremo, então, oferecemos a beleza da nossa unicidade universal ao Supremo.

O altar-entrega do seu coração
É a beleza sem igual
Que ascende a tocar
O âmago do Céu.


Reflexão, poema de “28 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 6 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

6 de Junho

Está perdido quando crê nas suas dúvidas. Está morto quando duvida das suas crenças.

A dúvida pode ser conquistada. Ela deve ser conquistada. Como? A única resposta é concentração constante e devotada na mente, meditação no coração e a contemplação em todo o ser. Como conquistar a dúvida? Observe o voto de silêncio interior. Medite interiormente e ofereça serviço desinteressado. A sua dúvida não terá forças para maltratá-lo. Ela deve morrer e morrerá, para sempre.

Se quer ser um membro devotado
Da sociedade de Deus,
Rejeite, imediatamente, o que você não é:
Veneno-dúvida.
E aceite, devotadamente, o que você é:
O instrumento escolhido de Deus.


Reflexão, poema de “6 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.