Poema de 17 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

17 de Junho

Um coração devotado descobriu uma verdade suprema: meditar em Deus é um privilégio e não uma obrigação.

Quando meditamos no coração, descobrimos que Deus é infinito e que Deus é onipotente. Se Ele é infinito, na força da Sua onipotência Ele pode também ser finito. Ele existe nas nossas várias atividades, está em todo lugar. Ele abrange tudo, não exclui nada. Isso é o que a nossa meditação interior pode dizer-nos. A meditação do nosso coração, também, nos diz que Deus é mais amado do que o mais querido e que Ele é o nosso único Bem-Amado.

Por que o coração deseja meditar?
O coração deseja meditar
Porque quer amar mais
O Supremo.
E sabe que a meditação
É a resposta.


Reflexão, poema de “17 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.