Poema de 27 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

27 de Maio

Quanto mais obedecer-mos interiormente, melhor reinaremos exteriormente.

Há uma maneira muito simples de saber qual é a Vontade de Deus para nós. Cada novo dia, construímos o nosso próprio mundo; tomamos decisões; sentimos que as coisas devem ser feitas de uma certa maneira. Eu devo lidar com essa pessoa dessa maneira; devo dizer isso; eu devo fazer aquilo; tenho de dar isso. Tudo é “eu, eu, eu”. Se, em vez de planejarmos, pudermos deixar as nossas mentes, absolutamente, calmas e silenciosas, poderemos saber qual a Vontade de Deus. Esse silêncio não é o silêncio dos mortos; é o silêncio dinâmico e progressivo da receptividade.

Um verdadeiro Deus-amante
Não precisa sujeitar-se
Às decisões da sua mente.
Ele deve apenas ouvir
Os ditames do seu coração.


Reflexão, poema de “27 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

6 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

6 de Maio

Obedecer à Vontade de Deus é escapar de uma prisão auto-criada.

Quando o único clamor do meu coração é agradar a Deus à maneira própria Dele, então Deus pode manifestar-Se em e através de mim. Quando o meu clamor interior me leva a Deus, eu digo Lhe: “Ó meu Bem-Amado Supremo, faça-me Seu perfeito instrumento.” Quando Deus vem a mim, Ele dá-me um amplo Sorriso – um vasto, sincero e iluminador Sorriso – e diz: “Minha criança, eu farei de si o Meu instrumento perfeito e, ao mesmo tempo, manifestar-me-ei, em e através de si.”

Com a coragem física
Sentimos orgulho
Em moldar o mundo
À nossa própria maneira.
Com a coragem do espírito
Oferecemos o mundo a Deus.
Colocamos o mundo, o nosso mundo,
Aos Pés de Deus,
De forma que Ele possa guiar e moldar
O mundo, o nosso mundo,
À Sua própria maneira.


Reflexão “6 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.