Poema de 24 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

24 de Junho

Se sente que não é suficiente, apenas, manter a sua existência na Terra, que a sua existência deve ter algum significado, algum propósito, alguma realização, então, deve voltar-se para a vida interior, a vida espiritual.

Aqueles que aspiram irão além das circunstâncias e eventos mundanos e tentarão entregar-se à sua divindade interior. Essa não é a submissão de um escravo ao seu senhor, uma entrega desamparada. É a entrega das imperfeições, limitações, apego e ignorância ao próprio Eu mais elevado, o qual é inundado de paz, luz e felicidade. Nela não se perde a individualidade ou personalidade. Em vez disso, a individualidade e personalidade são ampliadas; expandem-se em Infinidade.

Ele provou a beleza
Da sua vida interior;
Portanto, está feliz.
Agora ele deve entregar
A fealdade da sua vida exterior
Ao seu Amado Supremo
Para que ambos, ele e o seu Senhor,
Possam ser felizes.


Reflexão, poema de “24 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 23 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

23 de Junho

Ama a sua vida interior. Isso significa que Deus tem um cuidado muito especial por si.

Constantemente, submete a sua vontade a coisas terrenas – ao barulho, aos sinais de trânsito, ao governo. Sente que, não se entregando a essas coisas, estará completamente perdido, ao passo que, ao render-se-lhes, ao menos, poderá continuar na Terra. Se deseja uma vida de aspiração, precisa de ter essa mesma espécie de sentimento em relação às coisas espirituais. Precisa sentir que se não orar, se não meditar, estará totalmente perdido; se não chorar, se não se entregar à mais elevada divindade, então, a sua existência será vazia e nem precisará de continuar na Terra. Sinta que sem orientação
interior estará, completamente, perdido e desamparado. Essa orientação interior vem, apenas, quando realmente deseja entregar a sua ignorância à luz que há no seu interior.

O meu caminho não é
Seguir o mundo.
O meu caminho não é
Liderar o mundo.
O meu caminho é
Andar junto de Deus.


Reflexão, poema de “23 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 18 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

18 de Junho

Cultive pureza no seu coração. Logo será capaz de redescobrir o Reino dos Céus.

A luz interior é pureza. A vida exterior é ignorância. A luz interior deseja conquistar a ignorância exterior. Da mesma forma, a ignorância exterior deseja conquistar e devorar a luz interior. A luz interior quer conquistar a ignorância exterior com a intenção de transformá-la. Quando a ignorância exterior é transformada, torna-se um guerreiro divino, lutando para estabelecer o Reino dos Céus aqui na Terra.

Se é um verdadeiro Deus-amante,
Então, logo verá
Que Deus criou tudo
Para o seu coração puro
E não para os seus olhos críticos.


Reflexão, poema de “18 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 15 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

15 de Junho

Eu amo o pequenino ninho-humildade do meu coração, infinitamente mais do que o imenso palácio-arrogância da minha mente.

A minha humildade não significa que eu queira que o mundo me ignore. Isso não é humildade. A minha humildade diz que eu nunca deveria esconder a minha ignorância e nem fazer alarde sobre o meu conhecimento. Sentir-se, extremamente, desgostoso e reclamar do que acontece consigo não é sinal de humildade. Os verdadeiros sinais da humildade são a constante aspiração e o clamor interior por mais paz, luz e
felicidade.

Quando Deus desce
Para tocar o finito,
Chamamos a isso Compaixão.
Quando o homem se curva
Em auto-oferecimento à humanidade,
Chamamos a isso humildade.


Reflexão, poema de “15 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 7 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

7 de Junho

Pena de si mesmo, auto-indulgência e procuras emocionais egoístas trata-se de uma mesma imperfeição, apenas, com diferentes nomes.

Se diz que não tem fé em si mesmo mas, que tem toda a fé em Deus, devo dizer que não poderá ir muito longe. Deve ter fé, fé constante a abundante, não apenas em Deus mas, também em si mesmo, pois é filho ou filha de Deus. Quando sente, verdadeiramente, que é uma criança de Deus, perceberá que está aquém da sua dignidade fazer amizade com a ignorância. Realidade, Eternidade, Imortalidade e Infinidade não são termos vagos: são os seus direitos de nascimento. Quando tiver esse tipo de fé, Deus derramará as Suas bençãos escolhidas sobre a sua cabeça devotada e seu coração entregue.

Não pode transcender-se a si mesmo
Estudando livros.
Mas pode, certamente, transcender-se
Ouvindo os ditames interiores
Da sua alma.


Reflexão, poema de “7 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 23 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

23 de Maio

Feliz é aquele que superou todo o egoísmo. Abençoado é aquele que vê Deus emergindo do oceano do ego.

O ego humano comum dá-nos uma sensação de identidade separada, de uma consciência apartada. Sem dúvida, uma sensação de individualidade e auto-importância é necessária num certo estágio do desenvolvimento do homem. Mas, o ego separa a nossa consciência individual da Consciência Universal. A exata função do ego é a separação. Ele não consegue sentir satisfação em ver duas coisas no mesmo nível, ao mesmo tempo. Ele pensa, sempre, que uma deve ser superior à outra. O ego faz-nos sentir que isolados somos todos fracos, que nunca nos será possível termos ou sermos a Consciência infinita. O ego, por fim, é limitação. Essa limitação é ignorância, e ignorância é morte. Portanto, o ego acaba em morte.

Como outras coisas,
Descarte a sua lista
De lamentações.
Descarte a sua importância
Auto-imposta.


Reflexão, poema de “23 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.