Poema de 03 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

03 de Julho

Possa o alento da espiritualidade tornar-se a única força na minha vida.

Quando o ego opera, sentimos que somos indispensáveis. Sentimos que sabemos mais do que todos os outros e que somos responsáveis por tudo. Sentimos que todos precisam de nós. O Eu transcendental abriga o cosmos inteiro e oferece liberação ou liberdade a cada alma individual. O grande “Eu” está expandindo-se sempre, a si mesmo. Quando expandimos, conscientemente, nós sorvemos êxtase. Estendemo-nos como um pássaro abrindo as suas asas. No entanto, quando procuramos possuir algo, tentamos fazê-lo a ferro e fogo. Já a expansão espontânea da nossa consciência é como uma mãe estendendo os seus braços à volta dos seus filhos. Não há sentimentos possessivos. Apenas, sentimos que pela força da nossa aspiração que expandimos a nossa própria realidade interior.

Veja, veja!
O Choro Dele está em si.
O Sorriso Dele é para si.


Reflexão, poema de “03 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 14 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

14 de Junho

Não visite os mundos da ego-exibição se quiser manter o seu próprio ego sob perfeito controle.

O meu orgulho humano sente que eu posso fazer qualquer coisa. O meu orgulho divino, o orgulho que se entregou à Vontade de Deus, sabe que posso fazer qualquer coisa, apenas, quando sou inspirado, guiado e auxiliado pelo Supremo. O meu orgulho humano deseja que o mundo me compreenda, ao meu amor, ao meu auxílio e ao meu sacrifício. O meu orgulho divino, o qual é o sentimento de unicidade com Deus, não deseja que o mundo compreenda as minhas ações abnegadas. Ele sente que se Deus me entende, se Deus conhece as minhas intenções, então, não pode haver maior recompensa.

Se está inclinado
A medir a sua vida-serviço,
Então, todo o seu ser,
Não conseguirá voltar-se
Em direção a Deus-perfeição.


Reflexão, poema de “14 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 24 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

24 de Maio

Existe uma derrota que nos traz maior triunfo do que a vitória. E qual é essa derrota? É a derrota do ego pela a nossa alma.

Enfraquece-mos o ego e, finalmente, o sub-julgamos pensando na Consciência tudo-permeante de Deus. Essa consciência não é algo que temos de conquistar. Essa consciência já está dentro de nós; apenas, temos de estar conscientes dela. Além disso, enquanto estamos em meditação, temos de desenvolvê-la e iluminá-la em medida infinita. E para nossa completa surpresa, o ego será enterrado no seio da morte.

Ó Senhor,
Dê-me a capacidade
Para amar o Seu Som-Silêncio,
Infinitamente, mais do que eu amo
Qualquer outra coisa.


Reflexão, poema de “24 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 17 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

17 de Maio

Sem dúvida, o homem é, infinitamente, superior a um animal selvagem. Mas, ele bebe sempre de duas garrafas de veneno: uma garrafa é o ego e a outra é a dúvida. Até que se livre dessas duas garrafas, o homem não é senão um animal superior.

A dúvida é uma força não-divina. Eu chamo-lhe veneno lento. Ela é o nosso pior inimigo na vida espiritual. Hoje eu duvido de mim mesmo, amanhã duvido de Deus, depois de amanhã duvido do mundo inteiro. Se eu duvido de Deus, nada acontece; Deus continua tão perfeito quanto sempre foi. Se eu duvido de alguma pessoa, ela permanece a mesma. Mas, quando eu duvido de mim mesmo, estou arruinado. Não consigo avançar sequer um centímetro. Assim, o melhor é não duvidar de si mesmo, não duvidar dos outros e nem duvidar de Deus.

Por que permite à dúvida
Deteriorar a perfeição
Da sua mente?
Por que permite ao medo
Arruinar a perfeição
Do seu coração?
Por que permite à ansiedade
Estragar a perfeição
Da sua vida?


Reflexão, poema de “17 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.