Poema de 3 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

3 de Junho

A vida humana é ao mesmo tempo um fardo e uma benção. Ela impele o homem a suportar sofrimento contínuo. Ela dá ao homem, também, a grande promessa da Deus-realização.

Prosperidade e adversidade são os dois olhos que todos temos. A adversidade guia-nos para o interior a corrigir e aperfeiçoar a nossa marcha de vida. A prosperidade guia-nos ao exterior para imortalizar e iluminar o nosso nascimento humano. Na prosperidade a nossa força interior permanece estática. Na adversidade a nossa força interior torna-se
dinâmica. Ninguém pode negar o facto de que todos os passos de progresso que o mundo deu, vieram tanto dos sorrisos da prosperidade quanto das lágrimas da adversidade. A adversidade, assim como a pobreza, não é um pecado. E um mérito da adversidade, ninguém pode negar: ela ajuda-nos, tornarmo-nos mais fortes interiormente. Quanto mais fortes somos interiormente, tanto mais luminosos somos exteriormente. Aquele que teme estudar na escola da adversidade, nunca poderá esperar ter uma educação perfeita na vida. Quanto mais, frequentemente, a nossa aspiração é forçada a atuar por força da terrível adversidade; tanto mais raramente
ela aparece na prosperidade gloriosa!

Os obstáculos existem para serem superados.
Abandone as dúvidas de si próprio e seja vitorioso.


Reflexão, poema de “3 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 2 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

2 de Junho

Tanto sofremos tentando fazer desaparecer um problema; Deus ri de nós. Mas, logo aceitamos a dificuldade como inevitável, por Ele ordenada, ela lentamente se desfaz, até que chega um dia em que ficamos a pensar onde foi que ela desapareceu.

Se soubermos como olhar para um problema, metade da força do problema desaparece. Todavia, normalmente, procuramos evitar o problema, tentamos fugir dele. Um problema não é uma indicação de qualquer engano ou crime nosso. Então, por que deveríamos ter medo de encará-lo? Saibamos que também há forças ruins, não-divinas e hostis à nossa volta. Culpando-nos a nós mesmos e tentando-nos esconder, não resolveremos o problema. Devemos encará-lo e ver se, realmente, somos culpados. Temos de sentir que somos não os causadores do problema, mas sim os solucionadores. Devemos praticar a vida espiritual e desenvolver força interior, aspiração e desapego interior. Lenta e gradualmente nos tornaremos fortes interiormente e seremos capazes de resolver os problemas causados pelas nossas próprias fraquezas interiores.

A escuridão dentro de si
Morrerá,
Apenas, quando a devoção no seu interior
Invocar iluminação das alturas.


Reflexão, poema de “2 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poemas do Mês de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

Entregue-se, entregue-se, alegremente,
À Vontade de Deus.
Não será arrebatado
Pelos fortes ventos da preocupação.


Reflexão, poema do Mês de Junho, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 1 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

1 de Junho

Auto-negação não resolve problema algum. Auto-asserção não resolve problema algum. É a manifestação de Deus, através da auto-existência, que resolverá todos os problemas do presente e do futuro.

Se o medo é o nosso problema, sintamos que somos os soldados escolhidos de Deus, o Todo-Poderoso. Se a dúvida é o nosso problema, sintamos que temos, profundamente, dentro de nós o mar da Luz de Deus. Se a inveja é o nosso problema, devemos sentir que somos a unicidade da Luz e Verdade de Deus. Se a insegurança é o nosso problema, devemos sentir que Deus não é, e nem pode ser, nada senão a Sua constante garantia, de que Ele nos clamará como verdadeiramente Seus. Se o corpo é o problema, a nossa constante prontidão e atenção podem resolver esse problema. Se o vital é o problema, a nossa imaginação que sobe aos céus pode resolver esse problema. Se a mente é o problema, a nossa aspiração de perfeição pode resolver esse problema. Se a vida é o problema, a nossa auto-descoberta preenchedora pode resolver esse problema.

Apenas, uma mente Deus-centrada
Poderá desafiar todas as tempestades-dúvida
E todos os trens-inveja.


Reflexão, poema de “1 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 31 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

31 de Maio

O homem pode ser feliz e seguro, apenas, quando o coração sente mais rápido do que a mente pensa.

Cada problema é uma força. Ao vê-lo, sentimos no nosso interior profundo uma força maior. E, quando encaramos o problema provamos-lhe que, não apenas temos a maior força mas, que somos a maior força sobre a Terra. Um problema aumenta quando o coração hesita e a mente calcula. Um problema diminui quando o coração enfrenta o problema e a mente apoia o coração. Um problema reduz-se quando a mente usa a sua luz-busca e o coração usa a sua luz-iluminação.

Quando oposições exteriores
Se colocarem diante de si,
Apenas, diga a si mesmo:
“Se eu puder meditar
A despeito dessa dificuldade,
Tornar-me-ei
Um melhor e mais forte Deus-buscador
E Deus-amante.”


Reflexão, poema de “31 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 30 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

30 de Maio

Uma vida de pureza é uma vida de auto-suficiência, pois está firmemente enraizada no amor divino.

O amor é a fonte da humanidade, o amor é a fonte da divindade. Amor humano por fim acaba em frustração. Por quê? Porque o amor humano segue da nossa limitada consciência-corpo para uma outra limitada consciência-corpo. Amor divino é todo iluminação. No início da jornada, no meio e ao final da jornada ele é todo iluminação. O amor divino desce da alma-liberdade para a consciência-corpo. O amor divino é o sol da liberdade tanto no Céu quanto na Terra.

A fragrância de um coração puro
Intensifica, sempre,
O deleite-satisfação da sua vida.


Reflexão, poema de “30 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 29 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

29 de Maio

Ame a humanidade aqui, devotada e incansavelmente. A recompensa obte-la-á noutro lugar, indubitável e também infinitamente.

Pode oferecer, conscientemente, amor puro aos outros se sentir que lhes está dando uma porção do seu alento-vida, quando lhes fala ou pensa neles. E esse alento-vida oferece-o, apenas, porque sente que, você e o resto do mundo, são inseparavelmente um. Onde há unicidade, tudo é puro amor.

Cada vez que eu amo à humanidade
Sem reservas,
Cada vez que eu amo a Deus
Incondicionalmente,
Eu recupero uma parte
Da minha própria vida real.


Reflexão, poema de “29 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.