Lá vai o meu Amado -Sri Chinmoy, Poemas.

Lá vai o meu Amado, meu doce Senhor,

Com os sinos tilintando nos Seus Tornozelos.

Ouço a música da Sua Flauta

Vibrando pelos horizontes.

Se meu menino pastor lançasse um só olhar

Para trás, ainda assim, ele somente seguiria em frente.

Que os meus olhos sigam o caminho

Que o meu Amado trilha.

Na hora do crepúsculo,

Com um doce e sereno sorriso,

Conduzindo o rebanho de Luz variados,

Meu menino pastor segue adiante.

-Sri Chinmoy.

O Infinito virá até a nossa existência terrena -Sri Chinmoy, Poemas.

O Infinito virá até a nossa existência terrena

Por vezes e mais vezes para amar esta Terra.

Este rio-vida está cheio de alegria e tristeza.

Aqui, uma vez mais navegaremos no barco

Em direção a uma realidade desconhecida.

Ó Senhor, Eu O vejo como meu doce Companheiro.

Você me leva ao Deleite do Céu,

Apenas para me mandar de volta, de mãos vazias,

Para a dura realidade-vida da Terra.

-Sri Chinmoy.

Você está tão próximo de mim hoje -Sri Chinmoy, Poemas.

Se e quando eu penso que não mais

Chamarei por Você,

Que nem mesmo olharei para Você,

Que manterei meus olhos fechados

E assim terei alegria,

Vejo-O tocando os meus olhos

Com as ondas do Seu Sorriso.

Eu não sei, Amado, como é por que

Você está tão próximo de mim hoje.

Talvez isso seja um engano.

-Sri Chinmoy.