Poema de 19 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

19 de Maio

A nossa Meta está no nosso interior. Para alcançá-la temos de tomar a vida espiritual.

Na vida espiritual, a maior necessidade é a consciência ou a perceção. Sem ela, tudo é um deserto árido. Quando entramos num lugar escuro, levamos uma lanterna ou alguma outra fonte de luz, de modo a saber onde estamos indo. Se desejamos conhecer a nossa vida não-iluminada, temos de procurar a ajuda da consciência. Sabemos que o sol ilumina o mundo. Mas, como nos veio tal percepção? Ficamos cientes através da nossa consciência, que é auto-reveladora. O funcionamento do sol não é auto-revelador. É a nossa consciência do sol, que nos faz sentir que ele ilumina o mundo. É a nossa consciência que em tudo se revela. E essa consciência é um infinito mar de deleite.

Seja corajoso
No que diz respeito ao seu coração.
Seja sincero
No que diz respeito à sua mente.
Verá como é fácil
Viver a sua vida
Numa consciência, supremamente, melhor.


Reflexão, poema de “19 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 18 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

18 de Maio

Uma mente que duvida é uma ameaça insolente à querida tranquilidade do seu coração.

O melhor e mais efetivo modo de vencer a dúvida é tomar o lado positivo. Sinta que não é a dúvida mas, a certeza. Sinta que não é o medo, mas a coragem. Procure identificar-se, sempre, com a qualidade positiva. Ao mudar a sua postura interior em relação à sua própria vida interior, dirá que a dúvida não é a realidade, que o medo não é a realidade; dirá que, a verdadeira realidade é a fé e a coragem.

Não se permita
Ser pisado, constantemente,
Pelos pés da dúvida e do medo!


Reflexão, poema de “18 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 17 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

17 de Maio

Sem dúvida, o homem é, infinitamente, superior a um animal selvagem. Mas, ele bebe sempre de duas garrafas de veneno: uma garrafa é o ego e a outra é a dúvida. Até que se livre dessas duas garrafas, o homem não é senão um animal superior.

A dúvida é uma força não-divina. Eu chamo-lhe veneno lento. Ela é o nosso pior inimigo na vida espiritual. Hoje eu duvido de mim mesmo, amanhã duvido de Deus, depois de amanhã duvido do mundo inteiro. Se eu duvido de Deus, nada acontece; Deus continua tão perfeito quanto sempre foi. Se eu duvido de alguma pessoa, ela permanece a mesma. Mas, quando eu duvido de mim mesmo, estou arruinado. Não consigo avançar sequer um centímetro. Assim, o melhor é não duvidar de si mesmo, não duvidar dos outros e nem duvidar de Deus.

Por que permite à dúvida
Deteriorar a perfeição
Da sua mente?
Por que permite ao medo
Arruinar a perfeição
Do seu coração?
Por que permite à ansiedade
Estragar a perfeição
Da sua vida?


Reflexão, poema de “17 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 16 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

16 de Maio

Nunca ouviremos a canção da voz interior se, consciente ou inconscientemente, fizermos amizade com a ansiedade.

Quando somos atormentados por preocupações e ansiedades, temos de sentir que há um antídoto. O antídoto é sentir interiormente o Amor de Deus por nós. Preocupações e ansiedades ir-se-ão embora, apenas, quando nos identificarmos com algo que tenha paz, serenidade, divindade e o sentimento de unicidade absoluta. Se nos identificarmos com o Piloto Interior, obteremos a força de Sua Luz iluminadora. As preocupações surgem porque nos identificamos com o medo. Preocupando-nos todo o tempo ou tendo pensamentos não-divinos, não seguiremos em direção à nossa meta. Entraremos na divindade, somente, quando tivermos pensamentos positivos: “Eu sou de Deus. Eu sou para Deus.” Pensando dessa forma, não poderá haver nenhuma preocupação ou ansiedade.

Devore as suas ansiedades!
A Felicidade de Deus e a sua felicidade
Voarão juntas num céu-unicidade.


Reflexão, poema de “16 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 15 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

15 de Maio

Devemos perceber que há, apenas, um modo de se obter infinitas possibilidades futuras. Esse modo reside no grande poder: a humildade.

Sentindo-nos indignos não seremos capazes de atrair a Compaixão de Deus. Seria absurdo. Nem mesmo uma gota mais, da Compaixão de Deus, se derramará sobre a Terra se sentirmos que somos indignos. Porém, sendo humildes, se aspirarmos e ao sentirmos que a pequena capacidade que temos vem de Deus, então, poderemos realizar-nos e Deus ficará agradado. Portanto, nunca se sinta indigno. Sinta, apenas, a necessidade de humildade verdadeira na sua vida, para que Deus possa agir em e através de si, no seu próprio nível.

A minha vida-humildade
É a minha unicidade consciente
Com a Universalidade iluminadora e realizadora
Do meu Amado Supremo.


Reflexão, poema de “15 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Poema de 14 de Maio – Sri Chinmoy, Reflexões

14 de Maio

Humildade não é uma virtude intencional, autoimposta. É um estado interior de consciência que sente alegria pura na sua expressão.

Existe uma grande diferença entre humildade e indignidade. Quando estamos a ponto de fazer algo, certas incapacidades, com as quais nascemos, podem fazer-nos sentir indignos. A indignidade pode vir também como resultado de algo não-divino que fizemos. Mas, qualquer que seja a razão, aquele que se sente indigno de alguma coisa permanecerá distante do mundo de deleite. Esse é um modo negativo de abordar a verdade. Mas, se tomarmos a abordagem positiva, sentiremos sempre que viemos de Deus. Devemos estar conscientes de Deus dentro de nós, não através do sentimento da indignidade mas, através da humildade. Se eu sou indigno da
minha Fonte, então, por que é que Ela me criou?

A partir de agora
Tente ver-se a si mesmo,
Do modo como Deus sempre
O viu:
Como o realizador da Sua Visão universal.


Reflexão, poema de “14 de Maio”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.