Poema a Thomas Jefferson

monumento a Thomas Jefferson no Capitólio em Washington

“Estava entre eles, mas não era um deles.”

Longe das mansões dos homens e seu habitar

Encontro em meio à Natureza e suas obras um lar

Mais adequado ao meu espírito, quando estou a vagar

Ou pela margem silente ou floresta sombria,

Onde, sozinho, não estou sozinho;

Pois posso ler o estrelado domo

Acima, ou nas coisas ao redor como um tomo,

Sem ninguém a limitar meus pensamentos,

Ou invadir minhas meditações, que podemos encantar

Pela metade sua amargura – e sonhos, cujo sono

Não previa: mas ora! O tempo

Em que juventude e inteligência e riqueza e beleza guarda

Sua meia-noite revela, e devo erigir-me e sorrir

Como quem sorri porque não pode chorar.

D. Tenniel

O Tigre -William Blake, poema com tradução

arte de Sri Chinmoy

 

O Tigre

Tigre, tigre, incendiante
Na floresta da noite,
Que mão ou olho encararia
Tua feroz simetria?

Em que céu ou abismo tarde
O fogo do teu olho arde?
Que asas ousariam soprá-lo?
Que mão ousaria tocá-lo?

Que força, obra ou mão
Atiçaria o teu coração?
Que punho mais incrível
Forjou tua postura temível?

Que martelo, que corrente,
Que fornalha fez a tua mente?
Que bigorna, que punho a cerrar
Ousou teus terrores aprisionar?

Quando as estrelas em cadente espanto
Irromperam o vasto céu em pranto,
Será que Ele sorriu ao ver-te?
Ele que fez o Cordeiro também fez-te?

Tigre, tigre, incendiante
Na floresta da noite,
Que mão ou olho enquadraria
Tua feroz simetria?

(tradução Patanga Cordeiro)

 

Tyger

Tiger, tiger, burning bright,
In the forest of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?

In what distant deeps or skies
Burnt the fire of thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand dare seize the fire?

And what shoulder, and what art,
Could twist the sinews of thy heart?
When thy heart began to beat,
What dread hand forged thy dread feet?

What the hammer? What the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? What dread grasp
Dared its deadly terrors clasp?

When the stars threw down their spears
And watered heaven with their tears,
Did He smile his work to see?
Did He who made the lamb make thee?

Tiger, tiger, burning bright,
In the forest of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?

-William Blake

 

O Tygre

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas de noite inflama,
Que olho ou mão imortal podia
Traçar-te a horrível simetria?

Em que abismo ou céu longe ardeu
O fogo dos olhos teus?
Com que asas atreveu ao vôo?
Que mão ousou pegar o fogo?

Que arte & braço pôde então
Torcer-te as fibras do coração?
Quando ele já estava batendo,
Que mão & que pés horrendos?

Que cadeia? que martelo,
Que fornalha teve o teu cérebro?
Que bigorna? que tenaz
Pegou-te os horrores mortais?

Quando os astros alancearam
O céu e em pranto o banharam,
Sorriu ele ao ver seu feito?
Fez-te quem fez o Cordeiro?

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas da noite inflama,
Que olho ou mão imortal ousaria
Traçar-te a horrível simetria?

Tradução: José Paulo Paes

 

O Tygre

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Em que céu se foi forjar
o fogo do teu olhar?
Em que asas veio a chamma?
Que mão colheu esta flamma?

Que força fez retorcer
em nervos todo o teu ser?
E o som do teu coração
de aço, que cor, que ação?

Teu cérebro, quem o malha?
Que martelo? Que fornalha
o moldou? Que mão, que garra
seu terror mortal amarra?

Quando as lanças das estrelas
cortaram os céus, ao vê-las,
quem as fez sorriu talvez?
Quem fez a ovelha te fez?

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Tradução: Augusto de Campos

 

O leão

Leão! Leão! Leão!
Rugindo como o trovão
Deu um pulo, e era uma vez
Um cabritinho montês.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação

Tua goela é uma fornalha
Teu salto, uma labareda
Tua garra, uma navalha
Cortando a presa na queda.

Leão longe, leão perto
Nas areias do deserto.
Leão alto, sobranceiro
Junto do despenhadeiro.
Leão na caça diurna
Saindo a correr da furna.
Leão! Leão! Leão!
Foi Deus que te fez ou não?

O salto do tigre é rápido
Como o raio; mas não há
Tigre no mundo que escape
Do salto que o Leão dá.
Não conheço quem defronte
O feroz rinoceronte.
Pois bem, se ele vê o Leão
Foge como um furacão.

Leão se esgueirando, à espera
Da passagem de outra fera…
Vem o tigre; como um dardo
Cai-lhe em cima o leopardo
E enquanto brigam, tranquilo
O leão fica olhando aquilo.
Quando se cansam, o leão
Mata um com cada mão.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação!

Vinícius de Moraes

(Inspirado em William Blake)

Quem / Who -Sri Aurobindo, poema traduzido

Quem

 

No azul do céu, no verde da floresta,

De Quem é a mão que ornamentou o brilho?

Quando os ventos repousavam no úbere do éter,

Quem os despertou e fê-los soprar?

 

Ele se perde no coração, na caverna da Natureza,

Ele é encontrado no cérebro onde constrói o pensamento:

Na tessitura e florescer das flores entremeado,

Na luminosa rede de estrelas Ele aprisionado.

 

Na força do homem, na beleza da mulher,

Na risada de um rapaz, no rubor de uma moça;

A mão que faz rotacionar Júpiter pelos céus

Usa toda a sua perspicácia para desenhar uma curva.

 

Lá estão Suas obras e Seus véus e Suas sombras;

Mas onde Ele está, então, e por qual nome é conhecido?

Ele é Brahma ou Vishnu, homem ou mulher?

Corpóreo ou incorpóreo? Gêmeo ou solitário?

 

Amamos um rapaz negro e resplandecente;

Uma mulher é nossa Senhora, nua e feroz.

Vimo-Lo refletir na neve nas montanhas,

Observamo-Lo laborar no coração das esferas.

 

Ele contará ao mundo Seus meios e Sua esperteza;

Tem o enlevo de tortura e paixão e dor;

Deleita-Se em nossa tristeza e empurra-nos a chorar

E então nos isca novamente com Sua alegria e beleza.

 

Toda música não passa do som da sua risada,

Toda beleza, o sorriso do Seu deleite apaixonado;

Nossas vidas são o pulso de Seu coração; nosso enlevo

O noivado de Radha e Krishna; nosso amor, seu beijo.

Ele é a força que soa no clangor dos trompetes

E cavalga a carruagem e bate nas lanças;

Mata incansavelmente e é repleto de compaixão.

Ele guerreia pelo mundo e seus anos derradeiros.

 

No meneio dos mundos, no surgimento das eras,

Inefável, poderoso, majestoso e puro,

Além do último ápice tocado pelo pensador

Ele é entronado em Seus assentos sempiternos.

 

O Mestre do homem e seu Amante infinito

É próximo dos nossos corações – tívessemos visão a enxergar;

Somos cegos pelo orgulho e pompa das nossas paixões,

Somos presos em nossos pensamentos que nos fazem pensar livres.

 

É Ele no sol que é eterno e imorredouro,

E na meia-noite Sua sombra se alarga;

Quando a escuridão era cega e envolta em escuridão,

Sentado nela estava Ele, imenso e sozinho.

(tradução de Patanga Cordeiro)

 

Who

In the blue of the sky, in the green of the forest,
Whose is the hand that has painted the glow?
When the winds were asleep in the womb of the ether,
Who was it roused them and bade them to blow?

He is lost in the heart, in the cavern of Nature,
He is found in the brain where He builds up the thought:
In the pattern and bloom of the flowers He is woven,
In the luminous net of the stars He is caught.

In the strength of a man, in the beauty of woman,
In the laugh of a boy, in the blush of a girl;
The hand that sent Jupiter spinning through heaven,
Spends all its cunning to fashion a curl.

There are His works and His veils and His shadows;
But where is He then? by what name is He known?
Is He Brahma or Vishnu? a man or a woman?
Bodies or bodiless? twin or alone?

We have love for a boy who is dark and resplendent,
A woman is lord of us, naked and fierce.
We have seen Him a-muse on the snow of the mountains,
We have watched Him at work in the heart of the spheres.

We will tell the whole world of His ways and His cunning;
He has rapture of torture and passion and pain;
He delights in our sorrow and drives us to weeping,
Then lures with His joy and His beauty again.

All music is only the sound of His laughter,
All beauty the smile of His passionate bliss;
Our lives are His heart-beats, our rapture the bridal
Of Radha and Krishna, our love is their kiss.

He is strength that is loud in the blare of the trumpets,
And He rides in the car and He strikes in the spears;
He slays without stint and is full of compassion;
He wars for the world and its ultimate years.

In the sweep of the worlds, in the surge of the ages,
Ineffable, mighty, majestic and pure,
Beyond the last pinnacle seized by the thinker
He is throned in His seats that for ever endure.

The Master of man and his infinite Lover,
He is close to our hearts, had we vision to see;
We are blind with our pride and the pomp of our passions,
We are bound in our thoughts where we hold ourselves free.

It is He in the sun who is ageless and deathless,
And into the midnight His shadow is thrown;
When darkness was blind and engulfed within darkness,
He was seated within it immense and alone.

-Sri Aurobindo

Aceno / Invitation -Sri Aurobindo, poema

Aceno

 

Com o vento e o tempo flamulando a meu redor

Subo à montanha e à charneca.

Quem virá comigo? Quem subirá comigo?

Cruzar o riacho e pisar a neve?

 

Não no mesquinho círculo das cidades

Restrito pelas suas portas e paredes eu habito;

Sobre mim Deus é o azul no céu,

Contra mim o vento e tempestada rebelam.

 

Brinco com a solidão nestas minhas terras,

Fiz-me companheiro das minhas más venturas.

Quem vive solto? Quem vive livre?

Suba a estas terras varridas pelo vento.

 

Sou o Senhor da tempestade e montanha,

Sou o Espírito da liberdade e orgulho.

Hirto deve ser e familiar do perigo aquele

Que compartilha do meu reino e caminha a meu lado.

 

(tradução Patanga Cordeiro)

 

Invitation

 

With wind and the weather beating round me
Up to the hill and the moorland I go.
Who will come with me? Who will climb with me?
Wade through the brook and tramp through the snow?

Not in the petty circle of cities
Cramped by your doors and your walls I dwell;
Over me God is blue in the welkin,
Against me the wind and the storm rebel.

I sport with solitude here in my regions,
Of misadventure have made me a friend.
Who would live largely? Who would live freely?
Here to the wind-swept uplands ascend.

I am the Lord of tempest and mountain,
I am the Spirit of freedom and pride.
Stark must he be and a kinsman to danger
Who shares my kingdom and walks at my side.

-Sri Aurobindo

O Barco do Tempo Segue Adiante -Sri Chinmoy, poema

O céu me chama,

O vento me chama,

A lua e as estrelas me chamam.

 

Os verdes e densos bosques me chamam,

A dança da fonte me chama,

Sorrisos me chamam, lágrimas me chamam.

Uma suave melodia me chama.

 

A aurora, o meio-dia e o crepúsculo me chamam.

Todos buscam por um colega a brincar,

Todos me chamam: “Venha, venha!”

Uma voz, um som, por toda parte.

Ora, o Barco do Tempo segue adiante.

-Sri Chinmoy

Assassinei a sua ignorância -Sri Chinmoy, Poemas.

Quando pensei que eu era o agente

De todas as minhas ações,

Tornei-me névoa.

Morri.

Virei o imperador do grandioso fracasso.

Minha alma veio à tona,

Consolou minha cega ignorância.

Deus causou a Sua Aparição suprema.

“Seu tolo, não noive a beleza sem vida da impossibilidade.

Eu não desperdiço sequer uma folha.

Assassinei a sua selvagem ignorância para você,

Para igualar-se ao Meu Trono Transcendental.”

-Sri Chinmoy

O meu diário -Sri Chinmoy, Poemas.

Nas primeiras horas da aurora,

Nas tardias horas da noite,

Eu escrevo o meu diário.

O meu diário só abriga uma palavra:

Gratidão.

Gratidão à compaixão de Deus,

Gratidão ao serviço do homem,

Gratidão à busca pela minha auto-transcendência,

Gratidão ao meu auto-questionamento,

Gratidão à minha descoberta-Deus.

-Sri Chinmoy

Eu canto porque Você canta -Sri Chinmoy, Poemas.

Eu canto porque Você canta.

Eu sorrio porque Você sorri.

Porque Você toca a flauta,

Eu me tornei a Sua flauta.

Nas profundezas do meu coração Você toca:

Você é meu, eu sou Seu:

Essa é a minha única identidade.

Em uma só Forma

Você é minha Mãe e Pai eternos,

E Consciência-lua, Consciência-sol,

Tudo-permeante.

-Sri Chinmoy

Ó belo sol que brilha no Oriente -Sri Chinmoy, Poemas.

Ó belo sol que brilha no Oriente,

Ó beleza-vida do Céu,

Ó vida-silêncio e vida-som,

Eu canto constantemente a sua vitória-canção

Com a solenidade do meu coração.

A beleza do Paraíso

E a Luz do Céu

Adoram o Seu Olho.

Por vezes e mais vezes o coração do mundo

Admira Você e o Seu Sorriso-Alma.

-Sri Chinmoy

Poesia -Sri Chinmoy, mensagens

“Eu sempre digo que o homem escreve prosa, mas é Deus quem escreve poesia – em e através do homem. Na poesia, cada palavra nos leva ao Incognoscível, onde há uma tremenda alegria. Podemos pensar que, quando entramos no Incognoscível, ficaremos completamente perdidos. Mas não nos perdemos, nós voamos. A poesia é intuitiva, e por esse motivo não devemos tentar compreendê-la. Não precisamos da mente para sentir alegria. Precisamos do coração.”

-Sri Chinmoy

Mãe desta vez ouça o meu chamado. -Sri Chinmoy, Poemas.

Mãe desta vez ouça o meu chamado.

Que o Seu Sorriso de luz-do-luar

Entre em mim.

Que eu seja energizado com a esperança do poeta

E a voz-silêncio do profeta.

Mãe, desperte em mim

O seu Amor universal.

Que a correnteza do meu rio-vida

Siga em sua direção,

Cantando a minha vitória-canção.

Mãe, não quero mais estar perdido.

Mãe, desta vez ouça o meu chamado.

-Sri Chinmoy.

Poema de 22 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

22 de Julho

Há uma palavra que nos é muito doce, pura e familiar. Essa palavra é consciência. Consciência é um outro nome para a voz interior.

A consciência pode residir em dois lugares: no coração de verdade e na boca de falsidade. Quando a consciência nos golpeia uma vez, devemos pensar que ela nos está a mostrar o seu amor incondicional. Quando ela nos golpea a segunda vez, devemos sentir que nos está a mostrar o seu cuidado sem reservas. Quando nos golpeia a terceira vez, devemos perceber que ela nos oferece a sua compaixão ilimitada, para nos prevenir de mergulharmos no abismo do mar da ignorância.

Eu conheço os seus
Doces, encorajadores e inspiradores segredos.
Está feliz porque
Arrancou pelas raízes a sua árvore-desejo.
É perfeito porque
Sempre obedece aos comandos
Do seu monitor interior:
A luz-consciência.


Reflexão, poema de “22 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Venham, venham, venham -Sri Chinmoy, Poemas.

Venham, venham, venham,

Ó lua, Ó estrelas, Ó sol do azul-vasto céu.

Venham ouvir a flauta da Imortalidade no meu coração,

Assistir o sorriso da Infinidade na minha vida.

Aqui não há penúria, não há vida-escuridão.

Aqui neste meu ninho-coração

Existe apenas uma fonte-luz inexaurível.

Venham, venham, venham,

Hoje o pássaro do meu coração deseja a todos.

Venham, venham, venham,

Ó lua, Ó estrelas, Ó sol do azul-vasto céu.

-Sri Chinmoy.

Como uma flor -Sri Chinmoy, Poemas.

Ó Senhor, para vê-Lo no coração de todos,

Eu, o viajante, sozinho trilhando

A estrada da Eternidade.

As flores que caem

Antes de florescer

São as minhas amigas.

Não sei o que está escrito no meu destino.

Não importa que minha vida termine

Como uma flor antes de florescer

Ou que termine antes de ter visto Seus Pés.

Eu sei que sempre me entregarei a Você.

-Sri Chinmoy.

Poema de 13 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

13 de Julho

O que obtem

O amor próprio egoísta e o ódio de si mesmo são duas doenças, que podem ser curadas por um remédio, que é o amor a Deus.

Nós queremos agradar ao mundo, mas, como poderemos fazê-lo, se não nos agradam as nossas próprias vidas? É um absurdo gritante tentarmos agradar aos outros se não estamos satisfeitos com a nossa existência interior e exterior. Deus deu-nos grandes bocas e com elas tentamos agradar aos outros, mas dentro dos nossos corações há um deserto árido. Se não temos aspiração, como podemos oferecer paz, alegria e amor ao mundo? Como podemos oferecer qualquer coisa divina quando não praticamos o que pregamos? A espiritualidade proporciona-nos a capacidade de praticar o que pregamos. Se não trilhamos o caminho da espiritualidade, apenas pregaremos; será um jogo unilateral. A nossa pregação frutificará, apenas, quando for praticada.

Para elevar a atmosfera-mundo,
Comece, a partir de hoje,
Com o coração que doa
E a vida de entrega.


Reflexão, poema de “13 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Canções devocionais sobre o amor de Radha por Krishna – O Evangelho de Sri Ramakrishna

-Canções devocionais sobre o amor de Radha por Krishna – O Evangelho de Sri Ramakrishna

 


 

Ó Krishna! Amado! Você é meu!

O que Lhe direi, Ó Senhor?

O que diria a Você?

Sou apenas uma mulher

E nunca a favorita da sorte;

Não sei o que dizer.

 

Você é a flor para os cabelos.

Ó Amigo, farei de Você uma flor

E O vestirei no meu cabelo.

Sob as minhas tranças O esconderei, Amigo.

Ninguém O verá lá.

 

Você é a cor para os lábios,

O doce colírio para os olhos;

Ó Amigo, com Você mancho meus lábios,

Com você pinto meus olhos.

 

Você é o sândalo para o corpo,

O colar para o pescoço.

Me ungirei com Você,

Meu perfumado creme de sândalo,

Refrescando meu corpo e alma.

Vestirei Você, meu lindo Colar,

Aqui no meu pescoço,

E Você deitará no meu peito,

Perto do meu coração trêmulo.

 

Você é o Tesouro no meu corpo;

Você é o Morador da minha casa.

Você é para mim, Ó Senhor,

O que as asas são para o pássaro que voa,

O que a água é para os peixes.

 


 

Que estranhas, Ó amiga, são as regras da vida e da morte!

O Jovem de Braja fugiu,

E esta pobre pastora de Braja logo morrerá.

Madhava está apaixonado por outras pastoras,

Mais belas do que eu.

Ora! Ele se esqueceu da filha inocente do vaqueiro.

 

Quem teria imaginado, cara amiga, que Ele,

Um Amante tão gentil, tão divino,

Buscaria apenas o encanto externo?

Fui tola em não ter visto antes;

Mas levada pela Sua beleza,

Ansiei sozinha por segurar Seus pés no meu peito.

 

Agora me afogarei no correr do rio Jamuna,

Ou tomarei uma dose de veneno, amiga!

Ou enrolarei uma vinha em meu pescoço,

Ou me enforcarei numa árvore tamala;

Ou, nada disso funcionando,

Destruirei minha existência desgraçada entoando o nome de Krishna.

 


Porque Meu corpo se tornou tão dourado? Não é hora disso ainda:

Muitas as eras devem passar, antes que como Gauranga eu apareça.

Aqui na era de Dwapara o Meu jogo ainda não terminou;

Como é estranha essa transformação!

 

O pavão cintila, todo dourado – e dourado também o cuco cintila!

Tudo ao meu redor se torna ouro! Nada mais

Senão ouro, por onde quer que eu olhe.

O que quer dizer esse milagre, onde tudo que vejo é ouro?

 

Ah, acho que consigo imaginar o significado agora:

Radha veio para Mathura, e é por isso que a Minha pele está dourada.

Ela só medita em mim e acha que sou eu, e portanto deu-Me a sua cor.

Meu corpo que era azul escuro, agora num piscar de olhos

Se torna ouro. Tornei-me Radha por contemplá-la?

 

Não consigo imaginar onde estou – Mathura ou Navadvip.

Mas como isso pode ter acontecido?

Balarama não nasceu ainda como Nitai, nem Narada

Se tornou Srivas, nem Yasoda voltou como a Mãe Sachi.

Então por que eu, dentre todos eles, deveria ficar com o rosto dourado?

O Pai Nanda ainda não nasceu como Jagannath; por que então

Eu deveria me tornar ouro?

Talvez porque em Mathura a doce Radha apareceu

Minha pele emprestou o matiz dourado de Gauranga.

 


 

Certamente Gauranga está perdido num êxtase;

Em exuberante alegria, ele ri e chora e dança e canta.

Ele acha que uma madeira é a floresta de Vrindavan, que o Ganges é o azul Jamuna;

Soluça alto e chora. Mas ainda que seja por fora todo dourado,

Ele é todo negro por dentro – negro com o negrume de Krishna!

 


Porque as minhas vizinhas fazem tal escândalo?

Porque suas calúnias lançam sobre mim,

Simplesmente por causa de Gauranga?

Como podem compreender os meus sentimentos?

Poderei algum dia explicar?

Isso é possível explicar?

Ora, para quem explicarei?

Ah, mas elas fazem que eu morra de vergonha!


 

Ó amiga, traga o meu amado Krishna aqui ou leve-me até Ele.

Ó amiga, traga o meu amado Krishna aqui e ganhe-me como sua serva.

Serei sua aia para sempre.

Ó amiga, não mais irei ao Jamuna buscar água.

Certa vez eu vi o meu amado Amigo debaixo da árvora kadamba.

Sempre que passo por lá, sou sobrepujada pela emoção.

 

O próprio desejo pela presença de Krishna

Resfriou e refrescou o meu corpo febril.

Ó amigas, vocês podem esperar.

Mostrem-me Krishna, o meu Amado.

Não se preocupem com os meus ornamentos.

Perdi o meu Ornamento mais precioso.

Ora! Que dias terríveis!

Meus dias felizes se acabaram.

Essa tristeza perdura tanto tempo!

 

Ó amiga, estou morrendo! Certamente morrerei!

A angústia de ser mantida longe de Krishna

É mais do que posso suportar.

Ora! Com quem deixarei

O meu Tesouro inestimável? Quando eu morrer,

Imploro-lhe, não queime o meu corpo;

Não lance-o no rio.

Faça com que não seja entregue às chamas;

Não mergulhe-o nas águas.

Neste corpo, eu brinquei com Krishna.

 

Amarre a minha forma sem vida, eu lhe imploro,

Aos galhos da negra árvore tamala,

Amarre o meu corpo à árvore tamala.

Tocando a tamala, tocará o preto.

Krishna é preto, e preta é a tamala/

Preto é a cor que eu amo.

Desde a minha tenra infância eu a amei.

Ao preto Krishna o meu corpo pertence;

Não permita que fique longe do preto!

 

 

Poema de 12 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

12 de Julho

O que obtemos da vida interior? Simplicidade, sinceridade, integridade, pureza, humildade e divindade. Aquele que tem todas essas qualidades divinas terá, sem falta, uma vida de alegria, paz, liberdade e plenitude. E aquele que não tem essas qualidades divinas terá, sem erro, uma vida de lágrimas, confusão, limitação e frustração.

Da vida interior obtemos uma consciência crescente, fluente e energizadora, para iluminar e aperfeiçoar os nossos pensamentos e sentimentos, bem como realizar as nossas metas. Também podemos tornar-nos participantes ativos e efetivos da experiência cósmica de Deus. Viver uma vida interior é tornar-se, plenamente, consciente da existência de Deus. Tornar-se, plenamente, consciente da existência de Deus é amar o alento da humanidade com um coração ilimitado. A harmonia divina existe e pode ser estabelecida na natureza interior e exterior de alguém, apenas, quando ele aceita a vida interior como uma fonte de constante inspiração, para guiar, moldar e modelar a sua vida exterior.

O campo de batalha da vida
Será todo paz
Quando o som da mente
Der lugar
Ao silêncio do coração
.


Reflexão, poema de “12 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.