O Tigre -William Blake, poema com tradução

arte de Sri Chinmoy

 

O Tigre

Tigre, tigre, incendiante
Na floresta da noite,
Que mão ou olho encararia
Tua feroz simetria?

Em que céu ou abismo tarde
O fogo do teu olho arde?
Que asas ousariam soprá-lo?
Que mão ousaria tocá-lo?

Que força, obra ou mão
Atiçaria o teu coração?
Que punho mais incrível
Forjou tua postura temível?

Que martelo, que corrente,
Que fornalha fez a tua mente?
Que bigorna, que punho a cerrar
Ousou teus terrores aprisionar?

Quando as estrelas em cadente espanto
Irromperam o vasto céu em pranto,
Será que Ele sorriu ao ver-te?
Ele que fez o Cordeiro também fez-te?

Tigre, tigre, incendiante
Na floresta da noite,
Que mão ou olho enquadraria
Tua feroz simetria?

(tradução Patanga Cordeiro)

 

Tyger

Tiger, tiger, burning bright,
In the forest of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?

In what distant deeps or skies
Burnt the fire of thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand dare seize the fire?

And what shoulder, and what art,
Could twist the sinews of thy heart?
When thy heart began to beat,
What dread hand forged thy dread feet?

What the hammer? What the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? What dread grasp
Dared its deadly terrors clasp?

When the stars threw down their spears
And watered heaven with their tears,
Did He smile his work to see?
Did He who made the lamb make thee?

Tiger, tiger, burning bright,
In the forest of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?

-William Blake

 

O Tygre

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas de noite inflama,
Que olho ou mão imortal podia
Traçar-te a horrível simetria?

Em que abismo ou céu longe ardeu
O fogo dos olhos teus?
Com que asas atreveu ao vôo?
Que mão ousou pegar o fogo?

Que arte & braço pôde então
Torcer-te as fibras do coração?
Quando ele já estava batendo,
Que mão & que pés horrendos?

Que cadeia? que martelo,
Que fornalha teve o teu cérebro?
Que bigorna? que tenaz
Pegou-te os horrores mortais?

Quando os astros alancearam
O céu e em pranto o banharam,
Sorriu ele ao ver seu feito?
Fez-te quem fez o Cordeiro?

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas da noite inflama,
Que olho ou mão imortal ousaria
Traçar-te a horrível simetria?

Tradução: José Paulo Paes

 

O Tygre

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Em que céu se foi forjar
o fogo do teu olhar?
Em que asas veio a chamma?
Que mão colheu esta flamma?

Que força fez retorcer
em nervos todo o teu ser?
E o som do teu coração
de aço, que cor, que ação?

Teu cérebro, quem o malha?
Que martelo? Que fornalha
o moldou? Que mão, que garra
seu terror mortal amarra?

Quando as lanças das estrelas
cortaram os céus, ao vê-las,
quem as fez sorriu talvez?
Quem fez a ovelha te fez?

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Tradução: Augusto de Campos

 

O leão

Leão! Leão! Leão!
Rugindo como o trovão
Deu um pulo, e era uma vez
Um cabritinho montês.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação

Tua goela é uma fornalha
Teu salto, uma labareda
Tua garra, uma navalha
Cortando a presa na queda.

Leão longe, leão perto
Nas areias do deserto.
Leão alto, sobranceiro
Junto do despenhadeiro.
Leão na caça diurna
Saindo a correr da furna.
Leão! Leão! Leão!
Foi Deus que te fez ou não?

O salto do tigre é rápido
Como o raio; mas não há
Tigre no mundo que escape
Do salto que o Leão dá.
Não conheço quem defronte
O feroz rinoceronte.
Pois bem, se ele vê o Leão
Foge como um furacão.

Leão se esgueirando, à espera
Da passagem de outra fera…
Vem o tigre; como um dardo
Cai-lhe em cima o leopardo
E enquanto brigam, tranquilo
O leão fica olhando aquilo.
Quando se cansam, o leão
Mata um com cada mão.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação!

Vinícius de Moraes

(Inspirado em William Blake)

Introdução -William Blake

O assunto me chama no sono noite após noite, e cada manhã

Desperta-me na aurora; vejo então o Salvador sobre mim

Irradiando Seus feixes de amor, ditando as palavras desta suave canção:

‘Desperte! Desperte! Ó dormente da Terra das Sombras, desperte! expanda!

Estou em ti, e tu em Mim, mútuos em Divino Amor,

Fibras de amor entre os homens pela adorável terra de Albion.’

-William Blake

Sempre crescente no seio de Deus, a imaginação humana. -William Blake

Tremendo, sento-me dia e noite; meus amigos surpreendem-se comigo.

Entretanto, perdoam o meu divagar. Não descanso da minha grande tarefa –

Abrir os mundos eternos, abrir os olhos imortais

Do homem para o interior nos mundos de pensamento, na Eternidade

Sempre crescente no seio de Deus, a imaginação humana.

-William Blake

“Que Deus fizesse todo o povo do Senhor Profetas.” Números xi.29 -William Blake

E caminharam tais pés em tempos passados

Sobre as montanhas verdes de ingleses solos?

E foi visto o sagrado Cordeiro de Deus

Nos afáveis pastos ingleses?

 

E brilhou o Semblante Divino

Sobre nossas colinas enevoadas?

E foi construída Jerusalém aqui

Dentre estas negras e satânicas moendas?

 

Tragam-me o meu arco de ouro ardente!

Tragam-me as minhas flechas de anseio!

Tragam-me a minha lança! Ó nuvens, revelem-se!

Tragam-me a minha carruagem de fogo!

 

Não cessarei minha batalha mental,

Nem dormirá minha espada em minha mão,

Até que construído tenhamos Jerusalém

Na Inglaterra, que terras verdes e afáveis são.

 

“Que Deus fizesse todo o povo do Senhor Profetas.” Números xi.29

 

-William Blake

Milton

 

A

Augúrios de inocência – William Blake

Augúrios de inocência

Enxergar um Mundo num grão de areia

E o Céu numa flor do campo,

Segurar o Infinito na palma da mão

E a Eternidade numa hora.

Um pássaro numa gaiola

Põe a ira do Céu para fora.

Um pombal repleto de casais

Onde a Alma repousa em feixes de luz.

Deus surge, e Deus é Luz,

Para as pobres almas na Noite;

Mas uma Forma Humana mostra Ele

Aos que vivem no reino do Dia.

-William Blake

Um Sonho | William Blake

Era uma vez um sonho que teceu

Uma sombra no meu leito anjo-protegido,

Tal que uma formiga se perdeu

Onde na grama eu me pensava caído.

 

Preocupado, perdido e esquecido,

Sombrio, fatigado e da viagem cansado,

Por arbustos emaranhados, entristecido,

Ouvi ela então em seu ditado:

 

‘Ó, minhas crianças! elas choram?

Elas ouvem seu pai suspirar?

Primeiro enxergar lá fora buscam;

Depois voltam por mim a chorar.’

 

Escapou-me uma lágrima, de tão penoso,

Mas vi o vagalume adiante,

Que respondeu: ‘Que fantasma choroso

Chama o vigia da noite?

 

-William Blake

O leão – Vinícius de Moraes

O leão

(Inspirado em William Blake)

Leão! Leão! Leão!
Rugindo como o trovão
Deu um pulo, e era uma vez
Um cabritinho montês.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação

Tua goela é uma fornalha
Teu salto, uma labareda
Tua garra, uma navalha
Cortando a presa na queda.

Leão longe, leão perto
Nas areias do deserto.
Leão alto, sobranceiro
Junto do despenhadeiro.
Leão na caça diurna
Saindo a correr da furna.
Leão! Leão! Leão!
Foi Deus que te fez ou não?

O salto do tigre é rápido
Como o raio; mas não há
Tigre no mundo que escape
Do salto que o Leão dá.
Não conheço quem defronte
O feroz rinoceronte.
Pois bem, se ele vê o Leão
Foge como um furacão.

Leão se esgueirando, à espera
Da passagem de outra fera…
Vem o tigre; como um dardo
Cai-lhe em cima o leopardo
E enquanto brigam, tranquilo
O leão fica olhando aquilo.
Quando se cansam, o leão
Mata um com cada mão.

Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação!

Arte é a Árvore da Vida – Blake

“Arte é a Árvore da Vida. Ciência é a Árvore da Morte. Deus é Jesus.”

– Blake

 

É verdade, absolutamente verdadeiro. E digo mais: Deus é Deus-compromisso, Deus é Deus-iluminação, e Deus é Deus-preenchimento.

 

____________________

Pérolas de Sabedoria do Ocidente e comentários devotados de Sri Chinmoy, extraídos do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente, editora Agbook

O Matrimônio do Céu e Inferno – Blake

“O Matrimônio do Céu e Inferno.”

– Blake

 

Onde está o matrimônio

Do Céu e do Inferno?

 

O matrimônio do Céu e do Inferno

Está no deserto árido da mente

E no ninho carinhoso do coração.

 

____________________

Pérolas de Sabedoria do Ocidente e comentários devotados de Sri Chinmoy, extraídos do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente, editora Agbook

Uma verdade contada com uma intenção ruim – Blake

“Uma verdade contada com uma intenção ruim

É pior que todas as mentiras que puder inventar.”

– Blake

 

Isso é verdade, absolutamente verdade. Devemos sempre contar a verdade com uma intenção divina. A nossa verdade deve estar inundada de luz, cuidado e unicidade. A nossa verdade deve iluminar, e não amarrar.

 

____________________

Pérolas de Sabedoria do Ocidente e comentários devotados de Sri Chinmoy, extraídos do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente, editora Agbook

Eu estava com raiva do meu amigo – Blake

 

“Eu estava com raiva do meu amigo.

Contei a minha ira, e ela acabou.

Eu estava com raiva do meu inimigo.

Não a contei, e a minha ira cresceu.”

– Blake

 

A ira é uma fraqueza que vale a pena superar. Mas ela não consegue perturbar o equilíbrio interior, que vale tudo.

 

____________________

Pérolas de Sabedoria do Ocidente e comentários devotados de Sri Chinmoy, extraídos do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente, editora Agbook

O amor não procura se satisfazer – Blake

 

“O amor não procura se satisfazer,

Nem cuida de si mesmo,

Mas para outro traz agrado

E constrói um Céu no desespero do Inferno.”

– Blake

 

Um amor assim tão belamente idealizado pode ser materializado se fundado na Fonte altíssima e não tiver ligação alguma com qualquer coisa inferior que há aqui.

 

____________________

Pérolas de Sabedoria do Ocidente e comentários devotados de Sri Chinmoy, extraídos do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente, editora Agbook

William Blake

William Blake, poeta inglês. Imaginação ele tinha; visão ele tinha. Ele as tinha em medida abundante. Nem é preciso dizer. Para ele, a imaginação era a beleza tudo-iluminadora da realidade, e a visão era a realidade tudo-preenchedora da beleza. Para ele, a imaginação era um homem de verdade, e a visão era um homem real e perfeição-inspirador.

Louco – assim pensavam alguns dos seus contemporâneos, e mesmo alguns dos seus amigos. Mas ele não era louco. Infelizmente, a maior parte das pessoas não estava e não está interessada em ver os seus mundos-realidade. A maior parte das pessoas não tem acesso a esses mundos. É necessário um clamor interior; um verdadeiro amor pelo desconhecido é preciso e um coração corajoso é necessário para ir além do mundo-fatos, além do mundo-realidade já visto e alcançado.

Seu poema imortal, “O Tygre”, é um tesouro inestimável da humanidade.

Tygre! Tygre! incendiando reluzente

Nos bosques da noite,

Que olho ou mão imortais

Enquadrariam a tua temível simetria?

Vemos essa energia-ignorância, que ameaça devorar o mundo inteiro, finalmente descobrir sua salvação-transformação na realização do Uno absoluto. Esse absoluto Uno incorpora energia-ignorância, energia-conhecimento e, ao mesmo tempo, muito transcende ambos.

A originalidade devotada da alma foi a dádiva de Blake para a humanidade. O Blake amante das pinturas-arte e amante do progresso-pensamento foi um pungente e incessante rio de criatividade-originalidade.

O seu amigo e discípulo Samuel Palmer o descobriu e facilitou ao mundo que o descobrisse. Blake era um homem sem máscaras: sua meta simples, seu caminho reto, suas palavras poucas. E mais: Blake foi o desafio da humanidade em ir além das conquistas da vida terra-limitada e o desafio da divindade para crescer e brilhar na sempre-transcendente realidade-existência do Além.

Seu barco-vida velejou entre a pureza-essência-alma e a impureza-substância-corpo. Certamente, tal é a experiência com que se depara toda vida humana. Mas chega a hora em que a parte obscura e não divina de nós alegremente e devotadamente se entrega à parcela iluminada e divina. Entrega significa percepção consciente, unicidade inseparável. Pela percepção da sua unicidade inseparável com o divino, o não divino em nós recebe iluminação, satisfação e perfeição.

Na sua vida, Blake foi obscuro; o reconhecimento não estava entre os seus conhecidos. Agora, um século após sua partida do palco-mundo, o mundo descobriu e reconheceu nele um amante-mundo que trouxe a mensagem da transformação – a transformação da tortura-inferno no enlevo-Céu e a transformação do mar-ignorância do corpo no céu-sabedoria da alma.

No dia 28 de novembro, mais de duzentos anos atrás, Blake nasceu. Mas a sua alma ainda aspira, ainda ilumina o mundo e ainda tenta manifestar a divindade que ela incorpora, para o despertar-Terra, iluminação-Terra e preenchimento-Terra. O poeta tem a visão do amanhã; o artista tem a visão do amanhã; o cientista, o cantor e o músico, todos têm a visão do amanhã. Todos os seres humanos que estão despertos e estão mais do que prontos para contribuir com algo próprio, com uma parte de si, ao mundo como um todo são realmente almas abençoadas e tesouros inestimáveis e imortais da Mãe Terra.

 

28 de novembro de 1975

Nações Unidas

Nova Iorque, EUA

 

– Sri Chinmoy

 

Do livro Pensadores-Filósofos do Ocidente editora Agbook