Venham, venham, venham -Sri Chinmoy, Poemas.

Venham, venham, venham,

Ó lua, Ó estrelas, Ó sol do azul-vasto céu.

Venham ouvir a flauta da Imortalidade no meu coração,

Assistir o sorriso da Infinidade na minha vida.

Aqui não há penúria, não há vida-escuridão.

Aqui neste meu ninho-coração

Existe apenas uma fonte-luz inexaurível.

Venham, venham, venham,

Hoje o pássaro do meu coração deseja a todos.

Venham, venham, venham,

Ó lua, Ó estrelas, Ó sol do azul-vasto céu.

-Sri Chinmoy.