Poema de 09 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

09 de Julho

Eu fiz uma colheita abundante de paz, no dia em que percebi que nem a enorme fome da Terra, nem o bom banquete do Paraíso desejam a minha ávida presença.

A paz vem até nós e perdemo-la porque sentimos que não somos responsáveis pela humanidade ou que não somos parte integrante dela. Devemos sentir que Deus e a humanidade são como uma grande árvore. Deus é a árvore e os ramos são a Sua manifestação. Nós somos alguns ramos e há muitos outros. Todos esses ramos são parte da árvore e, são um com cada outro ramo e com a própria árvore. Se pudermos sentir que temos o mesmo tipo de relacionamento com Deus e com a humanidade, que um galho tem com os outros ramos e com a árvore como um todo, estaremos destinados a ter paz duradoura.

Há dois remédios
Para lhe trazer paz de espírito:
“Eu sou tudo”
E
“Este mundo não me pertence.”
Use um dos dois.


Reflexão, poema de “09 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.