Poema de 05 de Julho – Sri Chinmoy, Reflexões

05 de Julho

Sabe o segredo do meu sucesso espiritual? Eu liberteime do passado; vivo em constante e infinita novidade na vida.

Como podemos tornar-nos Deus? Devemos estar prontos todos os dias para mudar, não permanecendo prisioneiros do passado. Quando o dia de hoje termina, devemos sentir que ele é passado e que não será de nenhuma ajuda para que nos tornemos o Supremo Altíssimo. Não importa quão doce, amoroso ou preenchedor foi o passado, ele não pode dar-nos nada que já não tenhamos. Caminhamos em frente em direção à meta, e portanto, não importa quão satisfatório o passado foi, devemos sentir que ele é apenas uma prisão. A semente cresce numa plantinha e depois torna-se uma imensa árvore. Se a pequena planta mantém a consciência de semente, não haverá manifestação. É claro, devemos ser gratos à semente, porque nos habilitou a tornarmo-nos uma planta. Mas, não dedicaremos muita atenção ao estágio de semente. Uma vez que nos tornemos uma planta, que o nosso objetivo seja tornarmos uma árvore. Procuremos olhar sempre em frente, em direção à meta. Somente, quando nos tornarmos uma grande árvore é que a nossa completa satisfação despertará.

Deixe o passado dormir e não permita à frustração
Comandar a sua mente. O sol-satisfação do amanhã
Será todo seu. Apenas comece a ver a elevação
Da sua maré-coração-entrega.


Reflexão, poema de “05 de Julho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.